quarta-feira, 15 de maio de 2013

Floresta Aokigahara


Aokigahara, também conhecida como Mar de Árvores, é uma floresta de 35km² situada na base noroeste do monte Fuji, no Japão. A floresta contém um grande número de rochas e cavernas de gelo, alguns dos quais são pontos turísticos populares. Devido à densidade das árvores, que bloqueiam o vento, e à ausência de vida selvagem, Aokigahara é conhecida por ser estranhamente silenciosa. Contam-se muitas lendas acerca da floresta. Algumas delas a relacionam com demônios e espíritos malignos característicos da mitologia japonesa e é conhecida por ser um local comum de suicídios. No ano de 2010, 54 pessoas completaram o ato na floresta, apesar de numerosas mensagens, em japonês e inglês, para que as pessoas reconsiderassem suas ações. Em média, são encontrados cem corpos por ano, alguns em avançado estado de putrefação ou até mesmo somente seus esqueletos.

O Niagara Falls é para casamentos, Aokigahara é para suicídio. Mais de 500 pessoas tiraram suas próprias vidas em Aokigahara desde 1950.

A tendência supostamente começou após Seicho Matsumoto publicou o romance Kuroi Kaiju (Mar Negro de Árvores), onde dois de seus personagens cometem suicídio ali. Depois disso, centenas de pessoas  se enforcaram entre as inúmeras árvores da floresta Aokigahara, que é declaradamente tão espessa que, mesmo ao meio-dia não é difícil encontrar lugares completamente cercados pela escuridão.

Na década de 70, o problema chamou a atenção nacional eo governo japonês começou a fazer varreduras anuais na floresta em busca de corpos. Em 2002, eles encontraram 78. Mas quem sabe quantos eles perderam? Se uma floresta escura cheia de cadáveres pendurados não fosse ruim o suficiente, alguns anos atrás, algumas pessoas notaram que muitos dos mortos em Aokigahara provavelmente tinham dinheiro ou jóias sobre eles. Assim começou a tradição japonesa de Aokigahara Scavenging onde as pessoas correm ao redor da Floresta da Morte, à procura de caras mortos para saquear.













Um comentário:

hulk disse...

Que tétrico....

Postar um comentário