terça-feira, 30 de outubro de 2012

Nova temporada de ‘American Horror Story’ estreia nesta terça-feira





Quando Ryan Murphy, criador de “Glee”, anunciou que lançaria uma série de terror, é fato que muita gente não botou fé. Mas depois de uma primeira temporada absolutamente apavorante — até quem vê os episódios com frequência reconhece que, muitas vezes, é preciso ter estômago forte —, “American horror story” retorna à TV amparada pelo público, por parte da crítica e pelo merecido Emmy conquistado por Jessica Lange, em setembro, além de 17 indicações ao prêmio.

A proposta, como todos já sabem, é ousada: a cada temporada, uma história americana de terror é contada. Se no primeiro ano da atração a personagem da atriz Connie Briton e sua família iam parar em uma casa mal-assombrada, nesta nova leva de episódios a ação se passa em um manicômio. 

O ano é 1964: no local, que já foi um espaço para o tratamento da tuberculose, a Irmã Jude (vivida por Lange, que retorna ao elenco — vale mencionar que, além dela, todos os atores que voltam à atração aparecem em novos papéis) supervisiona o tal asilo psiquiátrico com mão de ferro. As primeiras fotos da nova fase de “AHS”, aliás, chocaram muita gente, principalmente a imagem na qual uma freira levava em um balde o que pareciam ser pedaços de corpos humanos. O que é realidade? O que é fruto de delírio? O que é loucura? A que tipo de horrores esses pacientes são submetidos? Ao que parece, esse é o caminho que será seguido: nazistas, extraterrestres, assassinos em série e até mutantes são esperados nos episódios. 

Além da freira com passado obscuro interpretada por Lange, outros atores conhecidos batem ponto na série. Zachary Quinto é o doutor Oliver Thredson, e Joseph Fiennes surge como o monsenhor Timothy Howard. Entre as participações especiais previstas para a temporada estão Frances Conroy, Adam Levine (ele mesmo, o vocalista do Maroon 5 e um dos técnicos do “The voice” americano) e Chloe Sevigny. Esta parece ser chegada a histórias malucas: recentemente, ela encarnou o papel de uma assassina transexual na série britânica “Hit and miss”. Aqui, a atriz encarna a ninfomaníaca Shelley, trancada no hospício pelo marido, que não gostava de seu estilo de vida um tanto promíscuo. Cenas fortes virão. E, já nos primeiros episódios exibidos nos Estados Unidos, nudez não faltou. 

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Florence and the Machine




Florence and the Machine (ou Florence + the Machine) é uma banda britânica de indie rock, liderada por Florence Welch, com o apoio de Isabella Summers e vários outros músicos. Desde que surgiu, a banda foi muito bem recebida pela mídia, especialmente no canal BBC, e então saiu para o sucesso mainstream.
O álbum de estréia da banda, intitulado Lungs, foi lançado em 6 de julho de 2009 e foi um enorme sucesso comercial na Inglaterra. Em outubro de 2011, Florence lança o segundo álbum, Ceremonials, que estréia em primeiro lugar no Reino Unido e em sexto lugar nos Estados Unidos.
O som de Florence and the Machine é descrito como uma combinação de vários gêneros, incluindo rock e soulLungsvenceu o prêmio MasterCard British Album award no BRIT Awards de 2010. No 53º Grammy Awards, recebeu uma nomeação na categoria Artista Revelação.

No Brasil e países latino-americanos, Florence ainda é pouco conhecida. Apesar desse desconhecimento, a banda ganhou projeção, não só nestes países, mas no resto do mundo, ao compor "Heavy in Your Arms", que faz parte da trilha sonora de "Eclipse", terceiro filme da saga Crepúsculo. Os clipes de Dog Days are Over e Shake it Out são exibidos no programa TVZ geralmente, o que faz com que Florence + the Machine seja mais reconhecida e admirada no Brasil.

Florence and the Machine participou do Summer Soul Festival no Brasil em janeiro de 2012, apresentando-se pela primeira vez no país.

Mais recentemente a música "I'm Not Calling You a Liar" do álbum Lungs fez parte da apresentação dos créditos do jogo de PC e video game: Dragon Age 2. A música foi retrabalhada e ganhou um tom mais melancólico do que a original para se adequar ao estilo sombrio do jogo. E também a música "I'm Not Calling You A Liar" pode ser ouvida na season finale da primeira temporada de Pretty Little Liars

A música "Kiss With A Fist" aparece com destaque no filme Garota Infernal estrelado por Amanda Seyfried e Megan Fox, e fez parte, também, do episódio "10 - Open House", segunda temporada da série americana United States of Tara. No episódio 11 da sexta temporada de Grey's Anatomy toca a música "Cosmic Love", deixando o final do capítulo emocionante. Além de fazer uma participação com a mesma música no 14 episódio da quarta temporada de Gossip Girl. 

A música "Blinding" foi utilizada no promo de divulgação da série Grimm, exibida pelo Universal Channel. E na série The Vampire Diaries tocou a música "Cosmic Love" no episódio 11 da primeira temporada e toca "Never Let Me Go" no episódio 19 da terceira temporada, deixando a cena muito emocionante para os fãs. A música "Seven Devils" também foi utilizada nos ultimos cinco minutos da season finale de Revenge, série de muito sucesso exibida na ABC, conferindo um tom bastante épico ao final do capítulo.

Em novembro de 2011, a banda foi confirmada no Summer Soul Festival, que acontece em janeiro no país. As cidades que receberam os shows são: São Paulo, no dia 24 de janeiro, no Complexo do AnhembiRio de Janeiro, no dia 27 de janeiro, no HSBC Arena e Florianópolis, dia 28 de janeiro, no Stage Music Park.

Também em 2011, foi realizado o MTV Unplugged – A Live Album, por volta do fim do ano em Nova Iorque. Porém, esta apresentação só foi exibida a partir de 23 de junho de 2012 na MTV Brasil.

Florence ganha cada vez mais notoriedade nos charts, ocupou a posição número 21 na Billboard Hot 100, com "Dog Days Are Over", logo após o Video Music Awards 2010. "What the Water Gave Me" alcançou recentemente a posição número 8 no iTunes UK, uma boa posição para uma banda cada vez mais mencionada pela mídia e que aumenta seu espaço de sucesso com muita rapidez e de forma impressionante.

As melhores posições na parada Billboard Hot 100 dos Estados Unidos são: "Dog Days Are Over" (#21), "Shake it Out" (#73) e "What the Water Gave Me" (#91).

O álbum Lungs, de 2009, já vendeu 3,5 milhões de cópias ao redor do mundo até então, e Ceremonials de 2011 já passou dos 2,1 milhões de unidades encomendadas.

Nenhuma artista britânica hoje é tão completa quanto Florence Welch, nada que venha da velha Inglaterra consegue superar a tonalidade épica, a beleza sentimental e a estranha energia cativante que se expande em cada composição entoada pela musicista londrina. Protegida por uma armadura conceitual e uma naturalidade de diva pop, Welch faz com que cada uma de suas canções se convertam em clássicos, ou como seu novo álbum aponta, pequenas etapas de um gigantesco cerimonial.
Se os dias de cão acabaram, agora a britânica só quer saber de se libertar e enterrar o passado, pelo menos é o que aponta Shake It Out, primeira composição que realmente nos fez perceber do que se trata Ceremonials (2011, Island), um disco que foca no movimento e na continuidade sentimental e mundana. Se através de Lungs, seu debut de 2009, era visível o quanto Welch sufocava, quase afogada em um oceano de relacionamentos que não deram certo e doses policromáticas de melancolia, aqui temos o oposto, a consagração.

Embora o toque épico e a grandiosidade penetrassem cada uma das 13 faixas construídas em sua estreia, com essa sequência musical Florence surge ainda mais magnânima, quase intocável, permitindo que a intensa dose de misticismo que se derrama sobre suas faixas tragam ao disco um toque de constante exaltação. Tudo é forte, impactante. Dos vocais aos mínimos cruzamentos musicais, cada música parece feita para explodir, como um rock de arena conduzido em arranjos de música clássica, quase uma versão feminina para o Queen da fase A Night at the Opera.

Além da eficaz companhia dos parceiros do The Machine – formada por Robert Ackroyd, Christopher Lloyd Hayden, Isabella Summers, Tom Monger e Mark Saunders -, em seu recente trabalho, Welch encontra forças em um novo parceiro musical: Paul Epworth. Sempre lembrado pela produção de álbuns memoráveis e marcados pela originalidade pop – como Pala do Friendly Fires eSilent Alarm do Bloc Party -, o britânico surge para acrescentar o elemento que faltava ao trabalho Florence.

Todo o emaranhado de arranjos instrumentais calcados na música erudita acabam contando com um acréscimo de música pop volátil e descontraída. É a mesma Florence de dois anos atrás, porém, capaz de dialogar com todas as frentes de ouvintes. Daqueles que anseiam por um registro monumental aos que clamam por um trabalho fácil e marcado de hits. Epworth parece ter libertado a mesma energia que Welch e sua banda transparecem ao vivo para dentro do estúdio, fazendo nascer um álbum entusiasmado, capaz de convencer e motivar o ouvinte em curtos segundos de sua execução.

Mesmo bem estruturado e carregado de boas composições, Ceremonials poderia ser apresentado como um trabalho mais curto (apenas 10 faixas seriam mais do que suficientes), evitando que a extensa duração do álbum possa transformá-lo em um trabalho penoso. Se havia qualquer tipo de medo em relação ao famigerado “segundo disco” de Florence Welch isso já pode ser deixado de lado, afinal, com o substituto de Lungs a musicista revela não ser apenas uma simples promessa da música britânica, mas uma sólida garantia.

Em uma entrevista feita com a cantora o primeiro tópico abordado foi o fato de Florence ter abolido completamente as bebidas alcoólicas. Segundo a cantora, a decisão foi tomada para preservar a voz dela. "Fiquei um pouco decepcionada quando descobri que deu certo", ironizou.


Em seguida, Florence disse que nunca teve um conto de fadas preferido, porque sempre gostou de inventar os próprios com a irmã dela, com foco especial nos modelitos de princesa das duas. "Eu e minha irmã ficávamos dizendo coisas como 'eu tenho uma coroa de rubis, sapatos de esmeralda e vestido de ouro'", lembrou a cantora de Dog Days Are Over.

Florence Welch também contou que gastou muito dinheiro para gravar Breath of Life, trilha do filme inédito Branca de Neve e o Caçador, com uma orquestra completa, mas  se disse encantada com a experiência. A ruiva também disse que sonha em fazer uma parceria com Kanye West.

Mas a maior revelação de Florence foi sua obsessão pelo cantor Usher. Segundo a musa, a faixa Confessions é a preferida dela. "Um dia desses eu estava falando sobre como essa música é incrível! Ela praticamente resume quem eu sou", desabafou.

A Lot of Love a Lot of Blood



1. Dog Days Are Over
2. Kiss with a Fist
3. You've Got the Love
4. Hospital Beds
5. Dog Days Are Over (an Optimo (Espacio) Mix)
 



Lungs



1. Dog Days Are Over
2. Rabbit Heart (Raise It Up)
3. I'm Not Calling You a Liar
4. Howl
5. Kiss with a Fist
6. Girl with One Eye
7. Drumming
8. Between Two Lungs
9. Cosmic Love
10. My Boy Builds Coffins
11. Hurricane Drunk
12. Blinding

Bonustrack
13. You've Got the Love 


Ceremonials


1. Only If for a Night
2. All This and Heaven Too
3. Spectrum
4. Heartlines
5. Seven Devils
6. No Light, No Light
7. Lover to Lover
8. Breaking Down
9. Never Let Me Go
10. What the Water Gave Me
11. Shake It Out
12. Leave My Body






Instagram - Photoshop Portátil







Instagram é um aplicativo gratuito que permite aos usuários tirar uma foto, aplicar um filtro e depois compartilhá-la em uma variedade de redes sociais, incluindo o próprio Instagram. Esse aplicativo foi desenvolvido e projetado pelo brasileiro Mike Krieger e pelo norte-americano Kevin Systrom, inicialmente para uso em dispositivos móveis Apple iOS sendo posteriormente disponibilizado no sistema Android. Além do aplicativo permitir aos seus usuários compartilharem imagens disponibiliza também uma grande variedade de filtros e efeitos. Eles podem compartilhá-las através do aplicativo e em redes sociais como TwitterFacebook,Foursquare e Tumblr.

Instagram, em conformidade com o padrão Kodak Instamatic e o de câmeras Polaroid, reformata as fotos para adequarem-se a formatos 4:3. Diferentemente da proporção 3:2, normalmente utilizada pelas câmeras de dispositivo iOS.

Quase um “Photoshop portátil” no celular. É dessa forma que muitos explicam o que seria o Instagram — o aplicativo que vem conquistando milhões de adeptos desde seu lançamento em 2010. 

Com certeza, ele não apresenta todos os diversos recursos e capacidades do editor de imagens da Adobe, mas se destaca por ser uma das formas mais práticas de se capturar uma foto e, em poucos toques, acrescentar efeitos e molduras.


Além disso, o número de adeptos ao Instagram cresceu consideravelmente nos últimos tempos, quando o aplicativo foi transferido para o Android. Sua fama é tão grande que este app também conquistou o Facebook, sendo comprado por Mark Zuckerberg pelo singelo valor de um bilhão de dólares.

A empresa desenvolvedora do aplicativo foi aberta por Kevin Systrom e Mike Krieger, também desenvolvedores do software, sem qualquer capital ou modelo específico de negócios. A empresa não havia recebido financiamentos até fevereiro de 2011, quando anunciou que estaria recebendo U$ 7 milhões em aporte financeiro proveniente de inúmeros investidores, incluindo Benchmark CapitalJack Dorsey, e D'Angelo Adam. A empresa ainda não declarou como pretende tornar rentável seu produto, embora tenha deixado implícita a possibilidade de futuramente implementar publicidade paga.

Em novembro de 2010, Dan Frommer da Business Insider afirmou que a Instagram era a desenvolvedora de aplicativos para iPhone mais "promissora", até o momento.
Em setembro de 2011, a Instagram já tinha conquistado quase dez milhões de usuários, possuindo uma equipe de apenas seis funcionários.

O Instagram, como aplicativo e rede social, teve recentemente o seu conteúdo expandido para além destes sistemas móveis e agora está disponível em computadores pessoais, nomeadamente com sistema operativo Windows.

Tal fato foi possível através de uma aplicação para Windows designada Instagrille, que foi desenvolvida pela empresa SweetLabs que tem como objectivo a criação de software e aplicações em HTML5 através da aplicação designada Pokki.
Como muitos podem estar iniciando no universo do Instagram, o Tecmundo listou algumas dicas que são capazes de fazer com que ele se torne ainda mais eficiente. Os resultados são boas fotos e, consequentemente, a maior integração com outros adeptos da rede social do aplicativo. 

1 - Iluminação


É fato que a câmera de um smartphone não possui todas as capacidades oferecidas por uma câmera fotográfica. Além disso, algumas fotos podem ser prejudicadas quanto a alguns problemas decorrentes da combinação “celular + fotografia”, como a dificuldade de se controlar o excesso de luz em uma imagem, por exemplo. 

No entanto, é possível trabalhar essas questões de forma positiva — basta fazer com que os recursos do celular fiquem a seu favor.



Assim, você pode (e deve) soltar a imaginação com a iluminação, utilizando-a de todas as maneiras que o aparelho possa oferecer — como modificar o nível e o tempo de exposição, usar o flash, entre outros recursos. Com os ingredientes combinados harmoniosamente, uma foto que teria tudo para dar errado pode se tornar interessante e criativa.

2 - Zoom


Se você quiser capturar um pequeno detalhe — como uma parte de um objeto ou mesmo um inseto, por exemplo —, tente não utilizar o zoom da câmera do seu smartphone, se puder.



Por mais contrária que essa ideia possa parecer (afinal, qual outra função do zoom se não aproximar os itens para fotografá-los?), infelizmente, esse recurso pode distorcer as fotos em certos casos. 

Assim, a melhor opção é ficar em posições que deixem a câmera do seu aparelho o mais próximo possível da peça que será fotografada — mesmo que isso signifique ficar em uma posição desconfortável, mas é bem provável que o resultado vai valer a pena.


3 - Statigram


Coloque e veja todas as suas imagens do Instagram em uma única janela através do Statigram: um site que permite o gerenciamento da sua conta no Instagram sem muitas complicações.



Além disso, ele também disponibiliza os dados estatísticos da sua conta, como o número de “Likes” e comentários recebidos, quais fotos tiveram maior aprovação, os cinco filtros que você mais usou, quais contas foram as mais acessadas por você, entre outros. 
Trata-se de uma boa ferramenta para gerenciar todas as suas ações no Instagram e acompanhar as tendências do aplicativo — como quais filtros estão sendo mais usados, os estilos de imagens mais comuns etc.


4 - Tags


Como no Twitter, o Instagram permite a utilização de tags (ou etiquetas). Mesmo sendo um recurso de categorização das imagens, saber empregá-lo corretamente pode trazer mais vantagens do que se imagina. E ganhar popularidade é uma delas.


As tags são uma ótima maneira de chamar a atenção de alguém. Por isso, use quantas você conseguir. É um sistema simples e inteligente para aumentar suas chances de ser visto por outras pessoas, além de fazer com que as imagens recebam mais curtidas e comentários. Tudo porque elas foram bem classificadas, ajudando na procura e distinção dos tipos de fotografias que cada pessoa gosta.

5 - Interação


Outra forma de aumentar a interação no Instagram está em saber utilizar positivamente os comentários e as legendas das fotos.



Assim, sempre que for oportuno, é importante acrescentar as tags de nomes de usuários (exemplo: @manolobaixaki) para se referir a alguma pessoa na apresentação de uma imagem ou mesmo para responder os comentários de uma forma mais direta. 

Utilizando esse sistema, a interação fica mais pessoal e garante que outros seguidores acessem as páginas das pessoas marcadas — o que também pode acontecer com você quando for marcado em outras contas.


6 - Estabilidade


Essa dica serve não só para o uso do aplicativo, mas para todos os aparelhos capazes de fotografar: mesmo com as tecnologias que ajudam a evitar uma imagem tremida, é sempre importante colocar o dispositivo em uma superfície fixa para que ele (e a foto, por sinal) fique estável.


Assim, as chances da sua imagem sair borrada ou trêmula são reduzidas — algo que, geralmente, ajuda na obtenção de um bom resultado fotográfico.

7 - Dicas de aplicativos


Com nomes bem sugestivos — como o Instagram Tips (Dicas de Instagram), para iOS —, alguns aplicativos foram criados com o único objetivo de ajudar as pessoas a utilizar melhor todas as ferramentas da rede social do Instagram.






segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Bohemian Style

 
  
Eram chamados boêmios aqueles com estilo de vida incomum, artistas como pintores, músicos e escritores, aventureiros, vagabundos e andarilhos. Eram pessoas que geralmente viviam com pouco dinheiro, tinham um ponto de vista político diferenciado, pregavam amor livre e frugalidade.
Bohemien é um termo francês que era usado no início do séc. XIX para identificar os ciganos que lá estavam, que acreditava-se terem adentrado a Europa Ocidental através de Bohemia.
 
O nome Boémia deriva de Boihaemum ou casa dos Bóios, povo Celta que migrou para esta região no início do século V a.C. Tribos eslavas, que chegaram no século I d.C., dominavam o território no século VI. A partir do século X, a família dos Premyslidas exerceu a sua autoridade na Boêmia Central.
 
No início do século XV, nas Guerras Hussitas, a luta contra a hierarquia católica fez nascer uma forte consciência nacional boêmia. Em 1526, o trono passou para as mãos dos católicos Habsburgo e durante os três séculos seguintes as terras tchecas perderam a independência. O Estado independente nasceu após a I Guerra Mundial (28 de outubro de 1918). A Boêmia passou a fazer parte da Tchecoslováquia até 1993, data da constituição da República Tcheca e da República Eslovaca.
 
Boêmia, boemia ou boémia no século XV, passou a significar também 'cigano' ou membro de tribos nômades supostamente originárias da Boêmia; no século XVII, bohème passa a designar também o indivíduo "que leva uma vida desregrada" é um estilo de vida caracterizado pela despreocupação com relação a bens materiais, a grandes projetos, às normas. Designa também um movimento artístico e literário do século XIX, constituído à margem do movimento romântico - mais "aristocrático". Caracteriza-se pela busca de um ideal artístico e pela recusa da dominação burguesa e sua racionalidade, no quadro da sociedade industrial.
 
O termo passa, por empréstimo, do francês ao português, na acepção do século XVII: 'vagabundo, indivíduo de vida desregrada' ou não convencional, eventualmente ligado às artes ou à literatura, ou mero aventureiro que vivia de forma despreocupada.

Segundo Jerrold Seigel, trata-se de um fenômeno social e literário que teve lugar em diversos pontos do planeta e em diferentes épocas. O autor considera a boêmia como uma manifestação de jovens burgueses que, no século XIX e sobretudo nas décadas de 1830 e 1840 na França, buscavam um estilo de vida especial e que se tornou popular especialmente a partir dos escritos de Henri Murger, autor de Scènes de la vie de bohème. O romance foi escrito a partir das experiências de Mürger como um escritor pobre vivendo na Paris de meados do século XIX. A obra inspirou a famosa ópera La Bohème, de Puccini.

No Rio de Janeiro do séc. XIX, a experiência boêmia carioca vinculava-se imediatamente à experiência boêmia de Paris, surgida no contexto das revoluções de 1848. "Boêmia" se torna sinônimo da vida que levavam os jovens intelectuais e artistas sem fortuna, num momento histórico que, também nos trópicos, é marcado por grandes transformações sociais, políticas e estéticas.



 
 
"O boêmio é um homem triste
De tão triste que sua tristeza se torna se torna poética e bela
Uma vida de boêmia é como viver uma ópera
Óperas são tristes,
Mas expressam a arte da tristeza,
O que as tornam belas,
 
O boêmio não sabe o que é felicidade
E por não saber o que é felicidade
Acomoda-se na infelicidade,
Na tristeza,
Na amargura
É mais cômodo viver em tristeza,
Pois com a tristeza o boêmio sabe como funciona
 
Já a felicidade é algo imprevisível,
Algo que ele não sabe como se porta,
É algo desconhecido,
De tão desconhecido que dá medo

É essa a vida de boêmia,
É a constante fuga de uma fuga de uma realidade
A qual por seu comodismo ele se recusa a modificar,
Pois é mais fácil ser boêmio do que enfrentar a felicidade
 
Por isso a vida boêmia sempre será uma triste e bela ópera".


 

Bohemian Grove

 
 
O clube da Boêmia, foi fundado em 1872 com a sua sede em San Francisco. Todo verão, em Julho os seus membros participam de um "acampamento", localizado em Monte Rio, CA. conhecido como Bohemian Grove. São 2.700 hectares de terra intocada dividida em dezenas de acampamentos. No bosque, no fundo da floresta, os líderes do nosso mundo assistem rituais de ocultismo e se envolvem em comportamentos bizarros possivelmente incluindo travestismo e homossexualidade, onde ficam travestidos e correndo bêbados, urinando em árvores em meio a rituais de ocultismo. A mais conhecida dessas cerimônias é a "Cremation of Care", onde os membros fazem sacrifício de crianças humanas à estátua de uma coruja com 12 metros de altura. A estátua de coruja é Moloch, um deus ou rei. A própria palavra Moloch está associada com o fogo e sacrifício.
Por várias vezes na bíblia, Deus condenou a adoração à Moloch:

“E eu porei a minha face contra esse homem, e o extirparei do meio do seu povo, porquanto deu da sua descendência a Moloque, para contaminar o meu santuário e profanar o meu santo nome. (Levítico 20:3)


“E edificaram os altos de Baal, que estão no Vale do Filho de Hinom, para fazerem passar seus filhos e suas filhas pelo fogo a Moloque; o que nunca lhes ordenei, nem veio ao meu coração, que fizessem tal abominação, para fazerem pecar a Judá. (Jeremias 32:35)”
Como podemos ver, essa prática não é de hoje. Desde o antigo testamento, Deus já alertava o povo contra essas abominações.

Os membros do clube Bohemian incluem presidentes, funcionários do governo, donos de grandes empresas, a elite mundial em altas posições de autoridade e influência de todo o mundo. Estas são as pessoas que tomam decisões que afetam nossas vidas, os que decidem quando as pessoas vão para a guerra, e, gradualmente, tiram a nossa liberdade. Se houver qualquer lugar para encontrar provas de que o mundo é em grande parte controlado por um punhado de homens poderosos e que conspiram para criar uma Nova Ordem Mundial, então ele seria definitivamente o Bohemian Grove. Bohemian é um clube fechado que acontece todo ano, tudo o que acontece lá é mantido em segredo.

Alex Jones, apresentador de um programa de rádio fez um documentário chamado: Secrets Dark - Inside Bohemian Grove, baseado no vídeo que gravou quando ele se infiltrou em Bohemian Grove.


"O clube Bohemian! Você disse Bohemian clube? É onde todos os republicanos ricos vão e ficam nus em volta das árvores, certo? Eu nunca fui ao clube Bohemian mas você deveria ir. Seria bom para você. Você deseja obter algum ar fresco. "

Presidente Richard M. Nixon nas fitas de Watergate, membro do Clube de Bohemian , a partir de 1953.

"A Bohemian Grove, que eu assisti de vez em quando, os orientais e os outros vêm ali, mas é a coisa mais bicha maldita que você jamais poderia imaginar, que San Francisco tem uma multidão que vai lá, é simplesmente terrível! Quer dizer, eu não quero apertar as mãos de qualquer um de San Francisco. "
George HW. Bush era membro, e assim foram os seus dois filhos, George W. Bush e Jeb Bush. Eles também foram todos os membros da Skull and Bones sociedade secreta de Yale. Henry Kissinger é um membro há muito tempo, desde sua juventude ele tinha laços com os Rockefellers que também tomam parte em rituais de ocultismo no bosque. O príncipe Charles da Inglaterra estava lá, assim como Reagan e Nixon.
 
Bill Clinton participou, em 1991, e tornou-se presidente em 1992. Gerald Ford, Donald Rumsfeld, Herbert Hoover, Colin Powell, Newt Gingrich, e Danny Glover, assim como muitos diretores executivos de grandes empresas e representantes de um grande número de universidades de todo o país têm membros ou tem frequentado. Howard Taft, presidente de 1909-1913 frequentou, e Alan Greenspan, foi visto deixando a Bohemian Grove um mês antes de se tornar presidente da reserva federal. Muitos, se não todos esses nomes e mais também são membros de grupos de mesa redonda, como o Clube de Bilderberg, Council on Foreign Relations e Comissão Trialateral.

Então, por que nossos líderes mundiais envolvidos com atividades ocultas? Hitler também foi intensamente envolvido no ocultismo como um membro da Sociedade Thule e também expressou seu desejo de criar uma Nova Ordem Mundial. A suástica em si é um símbolo ocultista que representa o sol. É amplamente utilizado no hinduísmo e pode ser encontrado em muitas civilizações antigas, incluindo Egito e Suméria. Na queda dos nazistas, operação CIA PAPERCLIP, que Henry Kissinger esteve envolvido, estava ajudando julgamento escapar muitos oficiais nazistas ou morte por contrabandeá-los para a África do Sul, América do Sul e nos Estados Unidos entre outros lugares.

A palavra "oculto" é traduzida significa "obscurecido" ou "escondido", “misterioso”. O ocultismo é uma religião antiga que sobreviveu a milhares de anos, com os ensinamentos sendo transmitidos através de uma linhagem seleta. As linhagens, por vezes referido como o 13 linhagens Illuminati, são mantidos “puros”. Os ensinamentos secretos têm sido escondidos por códigos e símbolos e são passados de geração em geração pelas sociedades secretas, como a Maçonaria, a Gnose, a Skull and Bones, entre outras.

Na bíblia, TODAS as práticas relacionadas ao ocultismo são severamente condenadas. Tudo que se refere ao mundo espiritual ou provém de Deus, ou de demônios, não existe meio termo.
Deus declara que o culto a imagens é culto a demônios.

"... a carne sacrificada aos ídolos é alguma coisa? Ou o ídolo é alguma coisa? Pelo contrário, digo-vos que os que sacrificam, sacrificam aos demónios e não a Deus, e Eu não quero que vós tenhais parte com demónios" (I Coríntios 10: 19-20).
O culto a Moloch é promovido todos os anos, mas a grande mídia permanece em silêncio, esse tipo de notícia deveria aparecer nas primeiras páginas dos jornais e nos noticiários da televisão.

Segundo Alex Jones, este ano além das grandes corporações e potências políticas, nomes como Tom Cruise e Mark McGuire assinaram seu nome para o livro de visitas. Com uma lista de mais de 1.000 pessoas, além de todas as esferas dos ricos vindo para Sonoma County, no entanto, você não vai ver a mídia informar sobre isso.


Desde 1899, atende apenas os membros masculinos do "Bohemian Club", que são recrutados principalmente da elite política, economica, artistica e da mídia dos Estados Unidos para um retiro de 14 dias.

O Clube Bohemian Grove inclui muitos artistas, em particular músicos, bem como muitos líderes de negócios, oficiais de governos (inclusive alguns presidentes dos Estados Unidos), e altos executivos dos meios da comunicação social. Como uma medida da exclusividade do clube, o sócio é informado que a lista de espera é de 15 para 20 anos, embora a curto prazo, o processo de sócio de três anos seja possível, mas dois membros atuais devem ser o patrocinador do membro em perspectiva. Uma taxa de iniciação de 25000 dólares é cobrada desde 2006, além da taxa de sócio anual. Permite-se que membros eleitos possam converter a taxa de iniciação em pagamentos anuais iguais até que eles consigam a idade de 45 anos.

Depois de 40 anos como sócio, os homens ganham a posição de “Velha Guarda”, dando-os assentos reservados nas conversações diárias do Bohemian Grove, bem como outras prerrogativas. Os membros também podem convidar hóspedes para o Bohemian Grove, embora estes hóspedes sejam sujeitos a um procedimento de proteção rigoroso.

Desde a fundação do clube, o mascote do Bohemian Grove é uma coruja, símbolo do conhecimento. Uma estátua de coruja de 40 pés (12 m), oca feito de concreto sobre o aço à cabeceira do lago no Bosque; este Santuário Coruja foi concebido pelo escultor e presidente do clube por duas vezes, Patigian Haig, e construído em 1920. [6] Desde 1929, o Santuário Coruja tem servido como pano de fundo a cerimônia "Cremation of Care" (“Cremação anual do Cuidado”).

Um ensaio para a Play Grove de 1909,St. Patrick em Tara

O santo de patrono do Clube é João Nepomuceno, que segundo a lenda diz; preferiu a morte sofrida nas mãos de um monarca Boêmio, a revelar os segredos confessionais da rainha. Uma grande estátua de St. John em mantos clericais com o seu índicador a tocar por cima dos seus de lábios, simboliza o segredo guardado pelos visitantes do Bohemian Grove e da sua longa história.