sábado, 5 de maio de 2012

Os Vingadores (2012)



Os Vingadores é um filme americano de super-heróis produzido pela Marvel Studios e distribuído pela Walt Disney Pictures. Baseado na equipe de super-heróis homônima da Marvel Comics, o filme foi escrito e dirigido por Joss Whedon e estrelado por Robert Downey, Jr., Mark Ruffalo, Chris Hemsworth, Scarlett Johansson e Chris Evans.

O longa-metragem foi anunciado em abril de 2005 e faz parte do chamado "Marvel Cinematic Universe" - um universo ficcional compartilhado por filmes independentes produzidos pela Marvel Studios -, cruzando vários filmes de super-heróis da Marvel, incluindo Homem de Ferro (2008), O Incrível Hulk (2008), Homem de Ferro 2 (2010), Thor (2011) e Capitão América: O Primeiro Vingador ( 2011).

Nick Fury (Samuel L. Jackson), diretor da agência de espionagem SHIELD, chega a um centro de pesquisa remoto durante uma evacuação. O Tesseract, uma fonte de energia de potencial desconhecido, já ativada, abriu um portal através do espaço, do qual o deus nórdico exilado Loki (Tom Hiddleston) ressurgia. Loki leva o Tesseract (conhecido nos quadrinhos como Cubo Cósmico), e usa suas habilidades para controlar as mentes de várias pessoas da SHIELD, inclusive o agente Clint Barton (Jeremy Renner), e o consultor físico Dr. Erik Selvig (Stellan Skarsgard), a fim de que eles o ajudassem em sua fuga.

Em resposta ao ataque, Fury reativa a Iniciativa Vingadores. A agente Natasha Romanoff (Scarlett Johanson) é enviada até a Índia para recrutar o Dr. Bruce Banner (Mark Ruffalo), enquanto o agente Philip Coulson (Clark Gregg), vai até Toni Stark (Robert Downey Jr.) e pede que ele veja a pesquisa do Dr. Selvig. Fury vai até Steve Rogers (Chris Evans), com uma missão para recuperar o Tesseract de Loki. Durante seu exílio, Loki encontrou os Chitauri, uma raça alienígena buscando conquistar a Via Láctea com o Tesseract. Em troca da Tesseract, os Chitauri concordam em ajudar Loki a dominar a Terra.

Capitão América, Homem de Ferro e a Agente Romanoff viajam para a Alemanha para exilar Loki, que está recuperando irídio necessário para estabilizar o poder de Tesseract e exigindo que os civis se ajoelhem diante dele. Depois de uma batalha com o Capitão América, Loki se rende e é escoltado de volta para um avião da SHIELD. No entanto, Thor (Chris Hemsworth), irmão adotivo de Loki e o deus nórdico do trovão, chega e tenta tirar Loki do avião para conversar com ele. Homem de Ferro e Capitão América enfrentam Thor, Loki e, eventualmente, é devolvido ao Helicarrier, porta-aviões High-Tech, e colocado em uma cela projetada para prender o Hulk.

O filme tem dois grandes méritos. Começa pelo equilíbrio. Com tantos heróis (e pior, com tantas estrelas de Hollywood) elaborar um enredo que conseguisse harmonizar a contribuição de figuras importante (e o ego dos atores) era tarefa hercúlea (ou de Hulk). O diretor Joss Whedon a cumpre perfeitamente. A fórmula é aproveitar a característica de cada personagem no momento certo. As melhores piadas ficam com Stark, as estratégias saem da boca do Capitão América, conflitos com o vilão cabem ao Thor, e assim por diante. Todos têm o direto a dar seu pitaco na história.
O segundo, e mais delicioso, mérito da película é o bom humor. Nos diálogos ou nas gags visuais, tudo serve de bom motivo para uma risada deliciosa. Com isso, o filme vai na contramão de trabalhos como a trilogia Batman by Nolan. Não há realismo nem sobriedade. Há bom humor, escapismo e uma inocência típica dos tempos em que as HQs ainda enfrentavam seres estranhos ou a ameaça comunista (afinal, ainda não vivemos a era da pura inocência). Essa volta às origens, sem abrir mão de um tom mais adulto, é um ganho. Sem excluir abordagens mais adultas, uma visão mais leve e evocativa dos clássicos das revistinhas é refrescante!







Nenhum comentário:

Postar um comentário